• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

5 perguntas frequentes sobre o transplante da córnea

A córnea é a lente transparente em forma de cúpula na parte da frente do olho. Um transplante de córnea é um procedimento cirúrgico no qual parte ou a totalidade da córnea é substituída por um tecido obtido através de um doador.

Transplante da córnea 

Graças ao transplante da córnea, é possível restaurar, em grande medida, a visão e recuperar o tecido corneano afetado por doença ou trauma. Todos os anos, milhares de pessoas em todo o mundo são submetidas a este tipo de procedimento para melhorar a sua saúde ocular.

Aqui estão as respostas às cinco perguntas mais frequentes sobre o transplante de córnea.

1. O transplante da córnea é um procedimento com resultados garantidos?

Estima-se que 80-90% dos transplantes de córnea são bem sucedidos. Entre outras coisas, a avaliação positiva do procedimento depende da transparência do tecido.

O sucesso de um transplante é medido 5 anos após a operação. Se a córnea permanecer clara durante este tempo, considera-se que o objetivo foi alcançado. Para isso, o acompanhamento do caso é fundamental.

A escolha dos pacientes qualificados para o transplante da córnea é rigorosa, pois a rejeição da córnea significa frustração para o recetor e, por outro lado, que o tecido poderia ter sido alocado a alguém com o perfil adequado.

Que problemas de visão são corrigidos pelo transplante da córnea?

O oftalmologista é a melhor pessoa para recomendar ou não um transplante da córnea. No entanto, existem algumas condições oculares que, de antemão, permitem-nos deduzir que este será o procedimento sugerido.

No caso da queratocone, a Distrofia Endotelial de Fuchs, afinamento da córnea, lesões, lacerações ou cicatrizes na superfície da córnea, as ulcerações ou complicações decorrentes de procedimentos cirúrgicos anteriores estão entre as patologias que levam ao transplante.

Existe algum risco envolvido no transplante?

O maior fator de risco é o transplante não resultar. Existem também as incidências associadas a qualquer intervenção cirúrgica: infeções, deslocamentos, hemorragias, que merecem a atenção imediata dos especialistas envolvidos.

Quando ocorre uma rejeição do transplante, o corpo recusa-se a aceitar a presença do novo tecido. Esta situação pode ser revertida através de um tratamento específico, incluindo o uso de esteroides.

Outras complicações raras incluem glaucoma, astigmatismo e hipermetropia. Quando um transplante não resulta, dependendo do caso, o médico consultará o paciente novamente para analisar outra possível tentativa.

2. Qual é o perfil de um paciente adequado para a doação de córnea?

Pessoas que, como resultado de doença ou trauma, tenham uma lesão, deformidade ou outra patologia que afete a córnea, são elegíveis para o transplante de córnea.

Um paciente com doença da córnea em direcção ao centro do cristalino, ou que sofre de uma deformidade chamada queratocone, está entre aqueles que encontrarão um resultado satisfatório com este procedimento.

Pessoas com esta condição, em que a córnea tem a forma de cone, experimentam um afinamento do tecido e são incapazes de usar lentes de contacto hidrófilas e esclerais, ou óculos oftalmicos. Com o transplante, a área danificada é substituída e a visão é restaurada.

Pessoas que são totalmente cegas e não percebem estímulos de luz não teriam nenhuma melhoria após um transplante de córnea, e é por isso que os oftalmologistas não lhes apresentam esta opção.

Algumas patologias não são curadas através de um transplante de córnea

As pessoas que têm degeneração macular sofrem alterações na retina, um tecido localizado no interior do globo ocular. Um transplante de córnea não ajuda aqueles que sofrem desta doença, a menos que, como resultado disso, a córnea tenha sofrido um trauma.

Por outro lado, há pacientes diagnosticados com glaucoma que têm danos no nervo óptico devido à alta pressão no olho. Se a córnea não for afetada, o transplante não é necessário. Se a córnea for afetada, é recomendada a cirurgia para tratar ambas as patologias.

O glaucoma é um dos fatores que podem tornar um transplante de córnea ineficaz, por isso esta patologia, quando presente, deve ser controlada.

Do mesmo modo, no caso da retinopatia diabética, como o nome sugere, os danos são na retina e a córnea não é directamente afetada.

3. Quanto ao doador, quem pode fornecer córneas a outras pessoas?

Os doadores de córneas são na sua maioria pessoas falecidas e cujo tecido corneal está em boas condições, é muito raro que o tecido venha de uma pessoa viva.

Casos excepcionais podem ocorrer, por exemplo, quando uma pessoa tem um olho removido devido a um tumor, que não afetou a área frontal do globo ocular, onde está presente a córnea.

Além disso, se a remoção for por outras razões e a córnea estiver em boas condições, o uso da membrana pode ser considerado para um paciente que a necessite.

Menos comuns são os casos em que o transplante é realizado na mesma pessoa, retirando a córnea de um olho irreversivelmente danificado e colocando-a no outro olho para salvá-lo.

Como se gere uma doação de córnea

Uma pessoa que deseja doar órgãos após a morte deve deixar isso claro para a família de forma oportuna e de preferência por escrito. As instituições de saúde têm formulários a serem preenchidos por aqueles que querem deixar essa intenção clara.

Ser identificado como doador voluntário ajuda a realizar os procedimentos sem demora, portar um cartão que ateste isso é útil em caso de acidentes. Pode até especificar que órgãos ou tecidos deseja doar, a fim de respeitar os seus desejos após a sua morte.

Ao ser doador de olhos, é possível ajudar outras pessoas com a córnea, esclerótica e outros tecidos ou partes do sistema ocular. Pelo menos duas pessoas podem beneficiar de um voluntário que tenha morrido.

Quem não deve ou não pode ser um doador de córnea

As pessoas com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) não estão qualificadas como doadores potenciais, nem as pessoas com infecções generalizadas (septicemia) ou hepatite contínua.

O risco de contágio aos peritos envolvidos no procedimento e ao recetor do órgão ou tecido torna inviável a aceitação de uma doação. Portanto, é feita uma revisão do histórico médico do doador.

No que diz respeito aos diabéticos, aqueles que são insulino-dependentes não são elegíveis para doação de córnea, no entanto, os pacientes que têm a doença sob controlo podem, após exame, ser elegíveis para doação de córnea.

Aqueles que desejam doar córneas ou outros órgãos e que, por alguma razão, não são elegíveis, também podem doá-los para fins científicos. É uma forma de apoiar a pesquisa, tão necessária na busca para prevenir e curar várias patologias.

4. Em que consiste a cirurgia Lasik?

A cirurgia ocular Lasik, ou cirurgia refractiva a laser, destina-se a corrigir problemas oculares. Neste tipo de procedimento, a forma da córnea é modificada a fim de corrigir qualquer deformidade que conduza a uma deficiência visual.

É uma alternativa para aqueles que sofrem de miopia, astigmatismo ou hipermetropia, que deve ser realizada por médicos especialistas, a fim de alcançar os resultados desejados.

No que diz respeito ao assunto em questão, aqueles que foram submetidos à cirurgia Lasik não são elegíveis como doadores de córnea. No caso daqueles que foram submetidos a cirurgia de catarata sob esta modalidade, eles podem ser elegíveis.

Entre as razões para não ser possível a doação, estão a forma da córnea, quando não é adequada ao receptor e, por outro lado, é menos provável que um tecido intervencionado sobreviva a um processo de transplante. No entanto, algumas porções saudáveis do tecido corneal podem ajudar a curar outras patologias.

5. Pode ser usado tecido artificial em vez da córnea do doador?

Existe também a alternativa da córnea artificial, que é ajustada por um procedimento conhecido como queratoprótese. A sua eficácia e alcance ainda são objecto de investigação, razão pela qual apenas cerca de 500 destes dispositivos são instalados por ano.

Os especialistas recorrem a este recurso quando não é possível localizar um doador ou nos casos em que o receptor tem condições muito particulares que impedem a adaptação a uma córnea humana.

No entanto, os pesquisadores continuam o seu trabalho e procuram opções inovadoras para beneficiar a saúde ocular dos pacientes. Quando falamos do transplante de córnea, a última palavra ainda não foi dita.

A recomendação será sempre a de levar quaisquer dúvidas a um especialista em oftalmologia e cirurgia ocular, que recomendará o tratamento mais adequado de acordo com a patologia em questão.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas
Conforto superior ao longo de todo o mês com as Lentes Hydrasense Lentes de Contacto

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »