• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

5 Dicas para distinguir a alergia ocular e o olho seco

Olhos lacrimejantes, vermelhos, com comichão ou ardência podem ser uma indicação da resposta do corpo a um alergénio e também indicação de olhos secos. Caso tenha algum destes sintomas, não faça um autodiagnóstico ou tome medicamentos por conta própria. Os cuidados especializados são fundamentais.

Alergia ocular e olho seco

Ambas as situações manifestam-se de formas semelhantes e são muitas vezes confusas, pelo que, pode tomar algo que não funcione ou que o fará sentir-se pior. Por vezes até ocorrem ao mesmo tempo, o que agrava o problema.

O médico é o único que pode esclarecer quaisquer dúvidas e indicar o tratamento adequado. É por isso que é importante fazer um controlo oftalmológico para descobrir a verdadeira causa e pôr fim ao desconforto.

Como saber o que é?

Embora a síndrome do olho seco e as alergias oculares tenham características semelhantes, existem diferenças entre as duas. A síndrome do olho seco causa lacrimejo, ardor, comichão, sensação de como se tivesse um grão de areia no olho e dificuldade em abrir as pálpebras pela manhã.

Esta última causa comichão e secreção constante, bem como vermelhidão, edema das pálpebras, fotofobia, sensibilidade à luz, e lacrimejamento dos olhos. É por vezes acompanhada de sintomas nasais e faríngeos, como na rinoconjuntivite.

Embora estas características falem por si, é por vezes difícil diferenciá-las. Um bom diagnóstico e um histórico médico que inclua todas as indicações são os melhores instrumentos para determinar o que é.

Interrogatório médico

Para identificar a natureza do problema, a primeira coisa que o especialista faz é fazer-lhe uma série de perguntas sobre o que o incomoda. É importante saber há quanto tempo dura e se mais alguém na sua família está a passar por uma situação semelhante.

Caso tenha tensão arterial elevada, diabetes ou um problema imunitário, como artrite reumatóide, lúpus ou doença vascular, precisa de informar o seu médico. Isto pode estar a afetar o seu estado atual.

Olhos secos ou conjuntivite, como também é conhecida, estão relacionados com estes problemas. As doenças graves devido ao mau funcionamento do sistema imunitário e doenças dermatológicas como a psoríase, afetam a visão da mesma forma.

É também essencial que o médico ao examiná-lo esteja a par dos medicamentos que toma regularmente. Alguns fármacos desidratam o olho, portanto, poderá ser necessário parar de os tomar ou reduzir as doses.

Alergia vs olho seco

Quando os sinais são inconspícuos, é mais difícil determinar a condição. Por exemplo, se o globo ocular parece irritado mas não está muito vermelho. Infere-se que é uma reação imunológica, caso a comichão e o lacrimejo piorem em determinadas épocas do ano.

Outro sinal é o agravamento dos sintomas quando expostos ao pó, pêlo de gato, ervas, pólen, ou outros alergénicos. Caso o desconforto fique frequentemente aliviado pelo uso de lágrimas artificiais, presume-se a disfunção lacrimal.

Enquanto a superfície branca estiver avermelhada, a conjuntiva estiver nublada, houver secreção aquosa e comichão, sabe-se que é conjuntivite alérgica. Com a secura, a vermelhidão nem sempre é visível a olho nu, mas pode ser vista com uma biópsia na conjuntiva.

Só porque nunca teve uma alergia antes, não significa que o que está a surgir seja diferente. A dada altura, é possível surgir, quer de certos elementos do ambiente, quer de um medicamento.

Testes de diagnóstico

Com apenas testes parciais, o médico pode optar por tratá-lo para ver como responde ou optar por realizar testes mais profundos para fazer um diagnóstico preciso.

Alguns testes de visão de cores ajudam a diferenciar entre as duas patologias quando são apresentados levemente. Em casos de inflamação imuno-mediada, a superfície ocular raramente demonstra alterações visíveis, quando falamos da queratoconjuntivite, a córnea e a conjuntiva ficam com alterações visíveis.

O tempo que demora para a lágrima fragmentar-se após o piscar também contribui para resolver a incógnita, pois é mais rápido em condições de falta de humedecimento. O teste de Schirmer é outro teste útil que quantifica a fabricação de lágrimas.

No entanto, é possível ter muitas lágrimas e ao mesmo tempo secura, quando a qualidade é fraca. As terapias anti-histamínicas ou lubrificantes são frequentemente as primeiras e menos dispendiosas alternativas.

Detetar a infecção

Outro aspeto chave é a procura de uma possível infecção. Não só devido aos danos oculares que os microrganismos são capazes de causar, mas também devido ao perigo de transmissão a outras pessoas.

Um caso típico de contaminação é a conjuntivite viral, cujos sintomas são incertos nas fases iniciais. Na presença de agentes infecciosos, excluímos que poderá ser devido a olhos secos, mas permanece a incerteza em relação à outra patologia, uma vez que os sinais são semelhantes.

A mais avançada manifesta-se de forma diferente e inclui reações foliculares consideráveis da camada que cobre a parte interna da pálpebra. Por vezes precisa de ser esfoliada e são observadas erosões do epitélio corneano.

A inflamação da membrana causada por um vírus dura entre 7 e 10 dias e é normalmente observada no Inverno e no início da Primavera. É por isso que o tempo é outro fator chave para fazer o diagnóstico.

Viral ou bacteriana?

Há situações em que estas condições provocam acumulações de células inflamatórias. Caso seja este o caso, é necessário averiguar se desenvolveu uma infecção bacteriana secundária ou está perante um processo alérgico.

Caso a incerteza persista, muito provavelmente precisa de tomar medidas, tratar a infecção e depois monitorizar a sua resposta ao tratamento. A aparência da secreção purulenta com muco abundante está mais próxima de algo infecioso.

Quando a secreção é clara, aguada e provoca comichão, é possível que outra condição esteja presente. Os pacientes com secura grave têm mais probabilidades de voltarem a ficar infetados. Em qualquer dos casos, os antibióticos só são considerados caso sejam observados pus.

Outras formas de exame

Estão disponíveis outros testes complementares para ajudar a determinar a causa. Estes incluem testes de imunidade que confirmam os adenovírus, entre outros que são utilizados em casos mais complexos.

Se o resultado apontar para um grupo de vírus ativo, é necessário ficar em casa sob medidas de controlo para não contaminar outras pessoas, uma vez que se trata de uma família virulenta muito contagiosa.

Em alternativa, os testes de osmolalidade e a enzima metaloprotease envolvida na inflamação podem ser usados para distinguir entre olho seco, alergia ocular ou infecção. No entanto, não são muito específicos.

Condição múltipla

Por vezes, uma doença leva a outra. Assim, não é raro uma reação alérgica causar queratoconjuntivite sicca, bloqueando as glândulas meibomianas e impedindo-as de segregar lágrimas suficientes.

Por esta razão, a primeira coisa que um especialista investigará é uma infecção, a menos que tenha a certeza do que você tem. Caso progrida, pode tornar-se ulcerada. No entanto, é raro que estas condições ocorram em conjunto.

Como evitar o olho seco?

Há muitos fatores associados a esta patologia, alguns são evitáveis e outros não. A utilização de computadores ou dispositivos móveis faz com que pisque menos do que o normal e as lágrimas evaporam-se muito rapidamente, deixando a superfície do olho descoberta.

Assim, a redução da exposição a estes dispositivos é um bom começo.

Os sistemas de ar condicionado e de aquecimento reduzem a humidade na sala. Se estiver mais seco, o líquido desaparece rapidamente. Do mesmo modo, mesmo que esteja no exterior num clima de baixa humidade, terá problemas.

Para as mulheres, as consequências das mudanças de idade, tais como a menopausa, são um fator de risco. Esta síndrome é mais comum após a idade de 45 ou 50 anos.

Formas de evitar a alergia ocular

Esta é geralmente uma doença sazonal que aparece numa determinada altura do ano, maioritariamente na Primavera. A maioria dos alergénios vem do campo, onde existe muito pólen.

Evita-se o contacto com eles, quer não indo a esses lugares, quer colocando barreiras, tais como o uso de óculos de sol. Isto também o protege do pó, do fumo e até do vento.

Também é recomendado que limpe bem as mãos antes de tocar nos olhos e não as esfregue, mesmo que sinta comichão. Se for mulher, tenha cuidado com a maquilhagem, pois o uso indevido de produtos cosméticos é prejudicial.

Se, no entanto, o processo alérgico for ativado, em alguns casos recomenda-se lavar a superfície ocular com solução salina para remover o alergénio, mas isto será determinado pelo especialista. Se isto não for suficiente, a recomendação é consultar um oftalmologista, que indicará o tratamento adequado de acordo com as condições.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »