• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

Importância de um exame oftalmológico: É realmente importante fazer um exame oftalmológico se já consigo enxergar bem?

Quer ter uma ótima saúde visual? A melhor maneira de conseguir isso é fazer um check-up preventivo regular. Em outras palavras, não vá ao oftalmologista apenas quando sentir desconforto intenso nos olhos ou começar a ter uma visão turva ou distorcido.

A importância de um exame na hora é prevenir doenças. Existem muitas patologias que não geram sintomas, mas quando se agravam são irreversíveis. O teste oftalmológico permite diagnosticar diferentes problemas, como se tivesse pressão ocular alta.

Quando esta condição não é tratada em tempo hábil, existe o risco de se transformar em glaucoma. O exame de rotina detecta quaisquer sinais prejudiciais. Isso permite prescrever um tratamento adequado antes que gere consequências graves.

Muitas vezes, as pessoas são descuidadas e não acham necessário ir ao especialista. No entanto, dores de cabeça recorrentes, fadiga e tontura, entre outras coisas, podem ser um indício de que algo está errado com sua visão. Ir ao médico garante que permaneça saudável.

Quem deve fazer um exame oftalmológico?

Todas as pessoas precisam de exames regulares, mesmo que não tenha nenhuma condição ou problema de refração. Especialmente os idosos. Até as crianças precisam ser vistas antes dos cinco anos, para garantir o desenvolvimento normal de sua estrutura ocular.

Importância de um exame oftalmológico: É realmente importante fazer um exame oftalmológico se já consigo enxergar bem?

O oftalmologista é capaz de perceber coisas que os outros não veem. Por exemplo, por que seu filho não lê rápido ou se distrai facilmente na aula. Esses problemas geralmente estão associados ao déficit de atenção, mas em muitos casos devido à má visão e à falta de óculos.

Adultos sem sintomas ou fatores de risco também precisam de consultar um oftalmologista. A partir dos 40 anos começam a aparecer presbiopia, catarata, degeneração macular e outras doenças que muitas vezes passam despercebidas, pois progridem lentamente.

Pessoas com pressão alta, diabetes e aqueles que usam medicamentos sistêmicos também devem manter um controlo. Tanto essas patologias como alguns medicamentos afetam os olhos causando, a longo prazo, perda visual parcial ou total. Por isso é importante cuidar deles.

Com que frequência deve fazer um exame oftalmológico no oftalmologista?

A frequência do check-up oftalmológico depende da idade e do estado de saúde. O primeiro exame é feito aos 6 meses de idade. E se repete no terceiro aniversário de vida. A partir daí, a cada dois anos, porque com o crescimento o globo ocular muda.

Da mesma forma, independentemente de quão saudáveis sejam, adolescentes e adultos precisam de acompanhamento anual. Acima de tudo, tendo em conta que hoje em dia os hábitos mudaram. Agora, as pessoas passam mais tempo conectadas ao computador, celular, tablet ou TV.

A exposição contínua à luz azul e reflexos de dispositivos eletrônicos é perigosa. Aumenta o risco de aparecimento de doenças que não refletem sintomas, acelera a deterioração da mácula e causa outros distúrbios como olho seco e inflamação das pálpebras.

Se tem um histórico familiar de problemas oculares, deve cuidar mais de si mesmo. É melhor solicitar uma consulta médica todos os anos para detectar precocemente essa possível herança. Claro, se sentir desconforto, precisa ir ao médico o mais rápido possível.

Veja também:

Em que consiste o exame oftalmológico?

O exame completo inclui uma série de testes. Entre eles, refração, cor, visão binocular, dilatação da pupila, avaliação da retina e campos visuais. Não é doloroso e dura cerca de uma hora e meia, dependendo da condição do paciente.

Durante a consulta, a primeira coisa que o especialista faz é um questionamento clínico. Isso, a fim de saber qual é o seu fundo. E se tiver sintomas ou desconforto ocular que indiquem uma possível condição. Em seguida, avalie a visão individualmente.

Ou seja, primeiro um olho e depois o outro. Comece cobrindo a esquerda ou direita com uma paleta. O oftalmologista sugere que veja símbolos, conhecidos como optotipos, projetados numa tela. Em seguida, mude para verificar o quanto olha para cada um ou juntos.

Além disso, faz um teste chamado retinopatia para descobrir se tem miopia, astigmatismo ou hipermetropia. Se necessário, calcula a sua prescrição para prescrever óculos pela primeira vez, ou faz algum ajuste caso já use óculos ou lentes de contacto .

Exame com lâmpada de fenda

O exame com lâmpada de fenda representa uma parte importante da avaliação clínica. Este dispositivo funciona como um microscópio com uma poderosa fonte de luz, que permite ver as estruturas do olho com mais detalhes. E desta forma, diagnosticar se está saudável ou tem alguma patologia.

Por exemplo, a esclerótica, a conjuntiva e a córnea, bem como a parte central da lente, localizadas no lado anterior. Também o segmento posterior composto pelas pálpebras e pestanas. Isso ajuda a detectar problemas como catarata e glaucoma, entre outros.

O exame geralmente é feito com luz branca e um filtro verde é usado para avaliar melhor os vasos e possíveis hemorragias, ou azul para ver as lesões. O fundo é avaliado usando uma lente especial através da qual a retina e o nervo ótico são claramente visíveis.

Além disso, com um tonómetro de precisão acoplado à lâmpada de fenda, são feitas medições muito precisas da pressão intraocular. Anteriormente, a anestesia era aplicada em gotas e um corante chamado fluoresceína, para facilitar a execução da técnica e não incomodar.

Dilatação da pupila: para que serve?

Antes de realizar o exame oftalmológico completo, é necessário alargar as pupilas para melhor visualização da membrana interna e do nervo ótico. Quando é pequeno, os detalhes não são bem observados. Portanto, eles dilatam com o uso de colírios especiais.

Eles geralmente levam entre 15 e 30 minutos para dilatar completamente. E o efeito dura de 4 a 6 horas dependendo do tipo de colírio e quão suscetível é. Uma vez dilatada, o oftalmologista procura sinais de doenças oculares comuns que podem causar cegueira.

Desta forma, vê a retina periférica, vasos, artérias e veias, bem como a mácula, que é a área central onde a imagem é processada. É ainda capaz de encontrar condições fora da vista. Por exemplo, pressão alta ou diabetes que nem suspeita que tenha.

Se esta é a primeira vez que faz esse procedimento, traga um acompanhante, pois a visão turva geralmente ocorre após o exame. Da mesma forma, é aconselhável usar óculos escuros ao sair, para evitar que a luz do sol o incomode. Mais um detalhe: e não dirija até que o efeito tenha passado.

Detecção de doenças comuns através dos alunos

Existem muitas patologias oculares comuns que não produzem manifestações em suas fases iniciais. Ao ampliar o círculo preto no meio da íris, podem ser facilmente detectados. Estes são os mais frequentes que causam perda de visão:

Degeneração macular

É uma doença geralmente associada à idade que afeta a mácula e a parte central da retina. Quando sofre com isso, a dilatação da pupila mostra massas de pigmentos ou depósitos amarelos conhecidos como “drusas”, sob essa membrana. Se estiver seco, uma aparência manchada.

Leia também: Degeneração Macular (DMRI): o que é, sintomas e como prevenir

Glaucoma

Este distúrbio aumenta a pressão no globo ocular, o que leva a danos no nervo ótico e perda de visão. Se tiver sinais, o oftalmologista verá mudanças na forma ou na cor das fibras nervosas. Nesse caso, o disco parece um círculo irregular e fica mais amarelo.

Leia também: O que é glaucoma ocular e como evitá-lo

Retinopatia diabética

Esta é uma das principais causas de cegueira nos EUA causada por diabetes. O início começa com pequenos pontos vermelhos ao redor da mácula, que se transformam em vasos sanguíneos com vazamento e engrossam a retina. O exame mostra crescimento anormal.

Leia também: Retinopatia diabética: o que é, sintomas e tratamentos

Do exame ao diagnóstico e tratamento

Com todas as informações coletadas por meio desses exames, obtém-se o diagnóstico clínico. Se o resultado for favorável, o médico marcará uma consulta para dentro de um ano. Além disso, fornecerá algumas recomendações para que continue a cuidar dos seus olhos corretamente.

Caso encontre algum problema, ele prescreverá o tratamento adequado para que não continue a progredir. Qualquer medicação, óculos corretivos ou cirurgia com ou sem laser, se necessário. Os medicamentos mais usados são gotas e pomadas ou cremes.

Dependendo da patologia, pode ter que vê-lo novamente em um período menor de tempo, para fazer o controlo e o acompanhamento. Se localizado precocemente, é mais fácil tratar e evitar complicações indesejáveis que colocam em risco o sentido da visão.

Como pode ver, há muitas razões pelas quais ir ao oftalmologista é importante. Mesmo que tenha uma boa visão e não use óculos, pode ter uma doença silenciosa. É fundamental manter uma revisão constante para cuidar da saúde ocular, independente do sexo e idade.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas
Conforto superior ao longo de todo o mês com as Lentes Hydrasense Lentes de Contacto

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »