• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

Consequências da Variante Delta para sua Saúde Visual

Sabe-se que é mais perigosa que a original e se espalha facilmente, ainda há muitas dúvidas sobre a variante Delta do Covid-19. Uma delas é se tem algo a ver com o aparecimento de sintomas oculares em pacientes infetados.

 Variante Delta para sua Saúde Visual

Embora tenham sido observados casos isolados de pessoas com olhos vermelhos ou sangrentos após contrair o vírus, os cientistas não conseguiram verificar se tais manifestações correspondem a esta nova alteração, por não serem tão comuns como a febre e tosse.

Como variantes anteriores causaram sinais de conjuntivite, dor nos olhos, visão turva e sensibilidade à luz durante o processo, acredita-se que possa causar problemas semelhantes. No entanto, isto ainda é um enigma porque não há informações suficientes para confirmá-lo.

O que os dados mostraram até agora é que esta variante age de maneira um pouco diferente de outras do coronavírus. Por exemplo, a perda do olfato e a forma como o corpo reage para manter as vias aéreas e a garganta limpas, são menos comuns.

Riscos associados à saúde ocular

Todos os vírus têm a capacidade de se replicar para sobreviver. Alguns sofrem alterações genéticas menos importantes do que outros, mas essa mudança é aleatória. O Delta é atualmente o de maior risco de transmissão entre a população não vacinada.

De acordo com os Centros de Controlo de Doenças dos EUA (CDC), este vírus espalha-se ainda mais rápido do que o da gripe, a constipação comum e as infeções por varíola, SARS, Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e Ébola.

De facto, é responsável pelo aumento de casos na maioria dos países do mundo onde chegou. Para além disso duplica as internações de pessoas afetadas, já que possui várias mutações que aumentam a carga viral, o que o torna mais perigoso.

As primeiras aparições foram observadas no Reino Unido e nos Estados Unidos em Fevereiro de 2021, após terem sido detetadas originalmente na Índia em Outubro de 2020. O CDC estima que 99% das novas infeções no continente norte-americano se devem a essa variante.

Sintomas visuais confusos

Segundo o Dr. Ilci Yildirim, especialista em doenças infeciosas e vacinação pediátrica da Yale Medicine, dor de cabeça e dor de garganta, além de secreção nasal e temperatura corporal elevada, parecem ser os sinais predominantes.

Esta sintomatologia assemelha-se mais aos casos graves de alergia sazonal ou febre do feno, (como também é conhecida), do que às restantes estirpes. Estes quadros médicos produzem comichão no nariz, olhos lacrimejantes, vermelhidão e inflamação da conjuntiva.

Portanto, em certas circunstâncias, é difícil vincular os sinais oculares à variação do coronavírus, pois são relativamente familiares. Se, no seu caso, passou por um processo alérgico em determinadas épocas do ano, pode reconhecer o que está a acontecer.

A diferença é que as alergias sazonais geralmente não causam falta de ar, a menos que tenha asma ou alguma outra condição respiratória. Se tiver respostas mais intensas do que o habitual, informe o seu médico para descartar a doença.

MIS-C: complicação em menores

Outra preocupação associada à variante Delta é que está a afetar a população mais jovem, mesmo com complicações raras e graves. Entre estas, a síndrome inflamatória multissistêmica (MIS-C).

Esta condição pediátrica inflama certos tecidos e órgãos, como globo ocular, vasos sanguíneos, coração, pulmões, sistema digestivo, rins, pele ou cérebro. Não se sabe por que algumas crianças a desenvolvem.

As manifestações do MIS-C variam e, assim como o Covid-19, causam olhos vermelhos e outros sintomas adicionais que acompanham a febre, como: dor de cabeça, dores abdominais e no pescoço, aperto no peito, fadiga, vómitos, diarreia, erupção cutânea e pressão baixa.

Embora rara, também foi observada em adultos infetados com a última mutação do vírus causador da pandemia. Por esse motivo, o CDC investiga os motivos que o causam e recomenda não relaxar nas medidas de prevenção, incluindo os cuidados com os olhos.

Os olhos e o contágio prolongado

Alguns pacientes têm sintomas duradouros. Ou seja, persistem por semanas ou meses após o desaparecimento do contágio inicial, afetando sua qualidade de vida. Porquê e com que frequência ocorre após a infeção com a nova estirpe está a ser investigada.

Um estudo realizado pela Universidade de Washington em Fevereiro passado e publicado no Jama Medical Journal descobriu que 30% dos pacientes que foram acompanhados até 9 meses após a doença não recuperaram totalmente.

O sintoma persistente mais comum foi a fadiga, além da perda do olfato e paladar. Alguns até apresentaram confusão mental e outros desconforto que afeta o desenvolvimento das suas atividades diárias após a superação da condição.

Outra pesquisa, publicada em Julho no British Journal of Ophthalmology, fala de uma possível ligação entre o Covid-19 e a perda de fibras nervosas na córnea, o que sugere que os olhos podem oferecer informações valiosas para diagnóstico e recuperação.

Porque é importante vacinar-se contra o Covid-19?

Tal como acontece com o resto das variantes, é essencial que se vacine para evitar uma infeção grave que exija hospitalização. A Organização Mundial da Saúde sustenta que todas as vacinas projetadas até o momento são eficazes.

Nos Estados Unidos, algumas pessoas têm relutado em fazê-lo por medo de efeitos colaterais. No entanto, não há evidências de que a aplicação das doses cause reações adversas em termos de visão.

Apenas um incidente isolado foi relatado de um trabalhador no Alasca que apresentou inchaço ocular temporário após a injeção.

Se sofre de alergias, para sua tranquilidade, informe o seu médico antes de se vacinar.

O especialista estará atento a qualquer resposta inesperada. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças aconselham que os alérgicos permaneçam 15 minutos no centro após a vacinação para serem tratados imediatamente, em caso de reação.

O autocuidado é essencial para a saúde visual

Aumentar as medidas de autocuidado, como o uso de máscara, distanciamento social e lavagem frequente das mãos com água e sabão, é igualmente importante para combater a quarta variável do SARS-CoV-2.

Dr. Joseph Varón, chefe de terapia intensiva do United Memorial Medical Center, disse num canal de televisão que é necessário usar a máscara novamente, especialmente em espaços fechados, devido à sua alta capacidade de transmissibilidade.

Proteger os olhos usando óculos ou máscaras também é conveniente para evitar que gotículas infetadas, espalhadas por espirros, tosse ou fala contaminem a membrana que cobre a superfície frontal do globo ocular.

O médico também destacou a importância de ir ao hospital na hora. “As pessoas estão a demorar duas ou três semanas antes de solicitar assistência e sabemos que quanto mais cedo tratar do vírus, maior a oportunidade de melhorar sem problemas”.

O que fazer em caso de sintomas oculares de Covid?

Se sente que tem olhos vermelhos ou conjuntivite, deve ter muito cuidado com a higiene das mãos. Limpe-as bem antes de tocar em si próprio e evite esfregá-las. Não compartilhe acessórios de uso pessoal como toalhas, lenços e lençóis, pode contaminar outras pessoas.

Os óculos também precisam ser desinfetados com frequência. Lave-os de preferência com água morna e seque as lentes com uma microfibra. Execute estas etapas diariamente para garantir uma boa higiene e evitar a exposição a qualquer tipo de complicação.

Quem precisa de ter mais cuidado

Os dados existentes até o momento falam de muito poucos pacientes com afetação a nível ocular. O primeiro estudo realizado na China no final de 2020 indica que 1 em cada 30 pessoas com a doença teve complicações na forma de conjuntivite.

No entanto, quem tem um fator de risco maior para a disseminação do vírus está exposto a esse tipo de manifestação temporária. Por exemplo, aqueles que trabalham fora de casa e prestam serviços de atendimento ao público correm mais riscos em comparação com aqueles que estão em casa.

Por isso a importância de não sair a menos que seja necessário, mantendo distância e protegendo os olhos, nariz e boca. Sabe-se que pessoas com mais de 60 anos têm maior probabilidade de adoecer, assim como pessoas com hipertensão, diabetes ou doença imunológica.

Um exame oftalmológico não determina se a conjuntivite é devida ao SARS-CoV-2, pois, independentemente da causa, os sintomas são os mesmos. Suspeita-se que este seja o caso se tiver problemas respiratórios com expetoração, febre, se esteve em contacto com uma pessoa doente ou viajou recentemente.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas
Conforto superior ao longo de todo o mês com as Lentes Hydrasense Lentes de Contacto

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »