• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

Os raios X podem prejudicar a visão?

Sabia que os raios ionizantes usados para tirar os raios X são prejudiciais à visão? Além de alterar o DNA das células, aumentam o risco de certas doenças. Qualquer dose que recebe é mau porque tem um efeito cumulativo.

Consequências visuais da radiação

Os raios X são ondas eletrónicas que arrancam elétron dos átomos que compõem as moléculas do corpo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), isso causa diversos problemas, como malformações genéticas e cancro.

É por isso que os radiologistas se escondem atrás de uma parede coberta de chumbo ao usar o receptor de imagem. Além disso, roupas e óculos especiais são colocados para se proteger. Se já fez uma RX, provavelmente já percebeu.

Os olhos são muito sensíveis à irradiação. Embora no momento do teste não sinta dor, os olhos são prejudicados. Quanto mais passar por técnicas radiológicas, maior a probabilidade de desenvolver uma doença ocular. Não se deve expor a menos que seja necessário.

Consequências visuais da radiação

Existem vários riscos associados à exposição desprotegida aos raios X. Entre eles, o aparecimento de tumores malignos nas pálpebras e áreas adjacentes. A isso devemos acrescentar lesões na membrana conjuntival, lesões na córnea e danos na retina.

Em alguns casos, causa inflamação e até queimaduras de primeiro grau. Claro, isso depende da intensidade, frequência e tempo de cada dose. É comum que várias horas depois, apresente um desconforto insidioso no tecido avaliado.

Como a lente do olho é uma das estruturas mais delicadas, o maior perigo é a catarata. Na verdade, é a doença ocular ocupacional mais comum entre os profissionais de saúde expostos a baixas quantidades de radiação ionizante.

As que surgem na cápsula posterior do cristalino natural são mais danosas e progridem rapidamente. Essa condição gera uma opacidade que reduz a acuidade ou nitidez visual, bem como a capacidade de focalizar objetos.

Dispersão de energia eletromagnética

Pode estar a perguntar porque a máquina afeta a visão se estiver focada numa área específica. O que acontece é que alguns raios são desviados quando atingem objetos como a mesa ou a cadeira. A radiação espalhada prejudica médicos e técnicos próximos.

A intensidade depende de um conjunto de variáveis. Por exemplo, a posição e a distância que estão do paciente. Geralmente, é maior no lado de entrada do que no lado de saída. O tamanho da pessoa que está a ser analisada também influencia.

Quanto maior, mais dispersão gera. A quantidade que atinge os olhos dos radiologistas também depende de sua altura. Por esse motivo, esses profissionais são obrigados a cumprir uma série de medidas de segurança.

Entre eles manter uma distância segura e levar um monitor que indica se estão ou não próximos à fonte de energia perigosa. Da mesma forma, utilizam blindagens e fazem revisões periódicas dos equipamentos para verificar se estão a funcionar em perfeitas condições.

Danos cumulativos à lente

Um nível mínimo de exposição não significa que não haja risco. Mesmo o mais baixo é capaz de causar deterioração visual devido à acumulação de raios X. Por exemplo, a mudança na transparência do cristalino a que nos referimos. Seja por radiação direta ou indireta.

Em 2008, um estudo foi feito nos Estados Unidos para determinar o risco entre tecnólogos radiológicos. De acordo com esta pesquisa, não existe um limiar confiável para prevenir o possível aparecimento deste tipo de catarata.

Em vez disso, há uma relação oposta entre o tempo em que se forma e a quantidade de radiação recebida. O estudo, publicado na National Library of Medicine, sugere que baixas dosagens só atrasam o seu início quando há exposição contínua.

A dose necessária para causar uma opacidade induzida detectável é estimada em 2 Gy (unidade de radiação) numa única exposição. Enquanto, no caso de radiação fracionada ou prolongada, é de 5 Gy, segundo a Comissão Internacional de Proteção Radiológica.

Sintomas de catarata

Sintomas de cataratas

Quando a lente fica turva, a luz não passa corretamente. Isso faz com que as imagens não pareçam nítidas, mas sim borradas ou nubladas. Quanto maior a perda de transparência nesta parte do olho, mais difícil é ver.

Embora existam casos extremos em que a catarata é visível a olho nu, geralmente não é visível. Exceto com algum instrumento ótico usado por oftalmologistas. Então, para saber se tem opacidade, deve ser visto por um profissional dessa área.

No entanto, há sempre uma pista. À medida que a doença progride, a visão torna-se mais turva. Se a sua visão era boa antes, é fácil deduzir o que é. Outro sintoma comum que aparece é o brilho.

À medida que a lente do olho se torna cada vez mais opaca, qualquer luz que entre expande-se, causando desconforto ao brilho. Se não usar nenhuma proteção ao fazer um raio-X, é provável que desenvolva esse distúrbio progressivo.

Localização e tratamento da catarata

A deficiência visual depende de onde a nebulosidade está localizada. Qualquer parte da lente que fique distorcida ou bloqueada causa dificuldade para ver. A catarata subcapsular aparece atrás, exatamente no ponto em que os raios de luz se cruzam.

A nuclear é a mais comum e decorre do envelhecimento. Localiza-se no centro de onde se expande gradualmente para a periferia. Nesta área começa o que é conhecido como cortical, que se apresenta com pequenas ramificações para dentro.

Quando os sintomas desta patologia ainda são leves, melhora simplesmente com o uso de óculos ou lentes de contacto. Mas se for avançado, podem consertá-lo através da remoção cirúrgica. Nesse caso, o especialista retira a lente de dentro do olho e coloca uma lente intraocular artificial.

Se perceber, é fácil resolver a doença. No entanto, nem todas as pessoas são capazes de fazê-lo. Por isso, é a principal causa de cegueira no mundo, segundo a OMS. Por esse motivo, o mais adequado é evitar a radiação e fazer exames oftalmológicos regularmente.

Lentes de proteção contra radiação

Uma maneira de evitar os efeitos nocivos dos raios X nos olhos é usar óculos de chumbo. Sua função é atenuar a quantidade de radiação espalhada quando está na sala onde está localizado o equipamento eletromagnético com o qual são feitos os diagnósticos.

Sejam eles dispositivos tradicionais, digitais ou scanners para obtenção de imagens. Ou talvez tomógrafos, máquinas para realizar procedimentos médicos intervencionistas ou fluoroscópios, já que todos emitem ondas de luz perigosas.

De fato, a organização internacional de energia atômica recomenda a colocação do conjunto completo de proteção radiológica. Inclui o avental cromado, luvas, protetor de tireoide e, claro, os óculos de vidro com chumbo.

Quem deve usar? Principalmente, radiologistas e outras especialidades. Inclusive os técnicos ou tecnólogos, enfermeiros e todo o pessoal que está a dar suporte nas salas especiais de estudo, hemodinâmica ou centro cirúrgico.

Atividades profissionais arriscadas

Todas as pessoas que trabalham com equipamentos de raios X estão expostas a algum grau de radiação. Portanto, estão propensos a deficiências visuais. Além dos já citados, há dentistas, cardiologistas, intervencionistas e veterinários.

A razão é que passam longos períodos de exposição enquanto procuram imagens que lhes permitam detectar qualquer doença. Precisamente para evitar a irradiação, os técnicos têm férias obrigatórias a cada seis meses.

Os pacientes que, devido à sua condição médica, fazem radiografias repetidas e continuamente ao longo do tempo, também estão expostos a danos nos olhos. Portanto, é importante fazer apenas os testes diagnósticos estritamente necessários.

O mesmo acontece com quem trabalha em laboratórios com aparelhos semelhantes para realizar análises científicas. Todos devem certificar-se de cumprir os parâmetros internacionais de segurança e usar roupas adequadas para não adoecer.

Limites de radiação permitidos

Dado o risco para a saúde representado pela energia radiante, foram estabelecidos limites de exposição. A OMS recomenda uma dose anual de 2 milisieverts (mSv), para evitar lesões oculares ou qualquer outro dano permanente.

Por sua vez, a Comissão Internacional de Proteção Radiológica considera apropriado 1 mSv por ano. O motivo? O número de casos detectados de catarata radial induzida, tanto em pacientes quanto em trabalhadores hospitalares.

Da mesma forma, recomendam a redução do tempo de fluoroscopia e o uso de tecnologia que permita ao paciente reduzir a dose. Da mesma forma, evite projeções extremas. Isso implica numa distância maior entre a pessoa que está a examinar e o tubo de raios X.

Os especialistas devem estar localizados a uma distância não inferior a 2 metros, para não absorver a radiação espalhada. Da mesma forma, é importante que os profissionais reduzam o número de imagens obtidas e utilizem todos os elementos de proteção radiológica.

Quer mais informações sobre este tema? Não hesite em consultar o seu médico.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas
Conforto superior ao longo de todo o mês com as Lentes Hydrasense Lentes de Contacto

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »