• Nº1 na Opinião dos Clientes
  • Poupe até 50% face às óticas de rua
  • Envio Rápido 24h a 48h
  • -20% Óculos de Leitura

Apoio ao Cliente
Apoio ao Cliente

Blefaroespasmo: o que é e as suas causas

Quase todas as pessoas já experienciaram espasmos musculares em algum momento. Este problema faz com que a pálpebra trema repetidamente por segundos, minutos e até horas, sem conseguir controlá-la.

Blefaroespasmo: o que é e as suas causas

É um movimento involuntário ou tique, conhecido como blefaroespasmo, mioquimia ou fasciculação do músculo orbital do olho, que aparece inesperadamente e geralmente desaparece da mesma forma.

É mais comum ocorrer no tecido inferior e apesar de sentir fortes palpitações, na maioria das vezes não é percetível a olho nu. Se afligir e durar muito tempo, deve dirigir-se ao oftalmologista para uma avaliação.

Pode ser devido a um distúrbio grave que está afetando os músculos que exercem o fecho das pálpebras ou outras partes da face, fazendo com que as fibras se contraiam ou fiquem tensas a ponto de causar o impulso nervoso.

Porque é que a pele que circunda o olho treme?

Vários motivos fazem com que a estrutura orbicular se mova sozinha. São, na sua maioria, motivos benignos e não requerem tratamento específico, além de evitar o desencadeamento inicial. Quer saber quais são? Leia as causas prováveis a seguir:

Ansiedade e Stress

Estes estados de humor são talvez a principal causa da contração das pregas cutâneas. Assim, a preocupação com estas patologias torna o período de duração mais longo. Fazer atividades que proporcionem relaxamento ajuda a prevenir espasmos.

Exaustão

O cansaço, seja por stress, falta de sono ou uso prolongado de dispositivos eletrónicos, pode causar tremores nos olhos. Tente ter uma boa noite de sono e faça pausas ativas a cada 20 minutos para evitar o surgimento do tique.

Cafeína

O consumo excessivo de café estimula o sistema nervoso central e contribui para o enrijecimento dos tecidos, resultando numa possível mioquimia. A ingestão responsável desta substância evitará que sofra de blefaroespasmos.

Álcool

Se existe um abuso da ingestão de álcool, é provável que apresente um tique súbito ou o desconforto se intensifique. O alcoolismo é prejudicial para a visão. Beber com moderação é uma forma inteligente de se proteger, disfrutar com amigos em qualquer ocasião e cuidar da saúde.

Secura ocular

Pessoas com olho seco tendem a ter tremores espontâneos. Uma maneira de reduzir o risco é restaurar a humidade da superfície ocular, através da aplicação de lágrimas artificiais e cuidar-se dos fatores ambientais que afetam a lubrificação natural.

Nutrição

A falta de nutrientes, incluindo cálcio, magnésio, zinco ou potássio, desencadeia problemas visuais como o blefaroespasmo. Tente comer alimentos que os contenham. Converse com um nutricionista para que lhe diga quais são ou indicar os suplementos necessários.

Fumar

Este distúrbio viciante também está associado ao aparecimento de palpitações descontroladas. Se fuma, tem até duas vezes mais de probabilidade de sofrer perda de visão, devido às substâncias nocivas dos cigarros. O mais conveniente é abandonar esse mau hábito.

Alergia

Os sintomas de processos alérgicos, como comichão, inchaço e lacrimejo, levam muitas pessoas a esfregar os olhos. Isso liberta uma substância química conhecida como histamina nos tecidos externos da pele e no filme lacrimal, o que pode causar contrações.

Quando se considera um caso grave de blefaroespasmo?

Em raras ocasiões, o blefaroespasmo responde a uma manifestação neurológica ou secundária a certas doenças. Por exemplo, quetoconjuntivite sicca, triquíase, corpo estranho na córnea, esclerose múltipla ou doença de Parkinson.

Por isso, um check-up médico é muito importante para conhecer os motivos que causam movimentos involuntários e repetitivos. Se o problema for acompanhado por esses sintomas, deve ser verificado por um oftalmologista ou neurologista:

  • O tremor faz com que as pálpebras se fechem completamente.
  • É gerado em ambos os olhos ao mesmo tempo.
  • Tem microespasmos no rosto ou em outras áreas do corpo.
  • Sente tonturas e visão turva.
  • Piora com o passar dos dias, luz forte e cansaço.
  • É acompanhada de dor, comichão ou algum outro desconforto adicional.
  • Alguém da sua família teve este tipo de patologia.

Ambos os profissionais saberão diferenciar as causas benignas das malignas que requerem uma abordagem imediata. Quanto mais cedo fizer um check-up, será capaz de controlar os tremores irritantes e sentir-se-á melhor.

Graus de gravidade

O distúrbio neurológico que gera a contração espasmódica por vezes torna-se incapacitante. Aparece inicialmente como uma piscadela e evolui ao longo do tempo para causar uma tensão tão severa que ocorre o fechamento completo da fissura palpebral.

Ao ser fechada com tanta força, é difícil abrir a dobra inferior e superior. Portanto, é quase impossível trabalhar, conduzir ou andar na rua sozinho porque não há visão satisfatória. O grau de rigidez é capaz de comprometer outros músculos da face e causar espasmo hemifacial.

Há casos em que uma paralisia facial surge previamente. Após a recuperação, a tensão anormal permanece e começa a mioquimia orbicular. Em algumas pessoas é acompanhada de apraxia, ou seja, inibição do músculo elevador.

Quando isso acontece, as sobrancelhas são levantadas cirurgicamente para tentar abrir os olhos. A pele estica relativamente e deixa de ser um mecanismo físico. No entanto, é muito raro que esta condição ocorra.

Como é que o tratamento com botox ajuda?

Embora inúmeras terapias baseadas em drogas e intervenções cirúrgicas tenham sido tentadas, o tratamento que deu os melhores resultados até agora na interrupção de espasmos persistentes é a injeção de Botox.

Esta toxina gera uma paralisia controlada nos músculos afetados, evitando o aparecimento de sintomas desagradáveis. É aplicado a cada três meses porque perde a eficácia 90 dias após a sua colocação. Caso não repita o procedimento, o tecido encolhe novamente.

Em termos gerais, é bastante eficaz porque melhora a qualidade de vida dos pacientes. Há quem acredite que serve apenas como procedimento cosmético, mas o seu uso médico foi aprovado em 1989 nos Estados Unidos.

Além de parar os tremores dos olhos, é usado para problemas de transpiração intensa na região das axilas e outras patologias. Atualmente existem muitos estudos e pesquisas, com o objetivo de alcançar uma cura definitiva para a doença, no futuro.

Possíveis complicações

Em alguns casos, a toxina botulínica causa complicações, mas não são graves. Por exemplo, distribuição além da extensão desejada, que afeta a membrana externa do olho.

Esse efeito é reversível e com o uso de outras drogas volta rapidamente á sua posição original. Daí a importância de ser realizado por um especialista em medicina oftalmológica para ter a certeza de que funcionará bem.

O seu médico irá ajudá-lo a decidir quando começar ou dizer se é necessária cirurgia para remover fibras do músculo orbicular para aliviar a pressão. Esta técnica, conhecida como miomectomia, torna as fasciculações mais fracas e menos percetíveis.

Geralmente, é usado para resolver casos muito graves, mas é extremamente raro optar por essa alternativa. De qualquer forma, caberá ao oftalmologista indicar se é ou não necessário submeter-se a esse tipo de operação.

Outros tipos de abordagem

Se tiver palpitações leves, será útil realizar manobras simples, como: mascar pastilha elástica, cantar ou massagar a área afetada com a ponta dos dedos. Da mesma forma, o uso de óculos escuros e a aplicação de gotas hidratantes ajudam a aliviar a falta de lubrificação.

Colocar compressas frias alternadas com calor em intervalos de 10 segundos melhora a circulação e facilita o desaparecimento da opressão. Outras maneiras naturais de controlar os tiques incluem mudanças na dieta e atividade física.

Tente caminhar, fazer ioga ou qualquer outro tipo de exercício, além de levar as coisas com calma para não perturbar o sistema nervoso. Descansar á noite é tão importante quanto fazer pausas durante o trabalho para minimizar a síndrome da visão computacional.

Experimente exercitar os olhos, pestanejando várias vezes seguidas ou olhando para um objeto distante por pelo menos 20 segundos, quando estiver a ler ou em frente ao monitor. Isso proporcionará alívio evitando a fadiga e os olhos secos, sem a necessidade de colírios.

Diagnóstico clínico de blefaroespasmo

Não há exame oftalmológico específico para diagnosticar blefaroespasmo. É identificado a partir dos sintomas do paciente e da história clínica.

Se pestanejar incontrolavelmente, fechar os olhos involuntariamente e isso afetar a sua visão, deve informar o seu oftalmologista, em vez de subestimá-lo. Com base no exame físico e nos dados que fornecer, o especialista buscará resolver a situação.

A automedicação pode ser contraproducente, então não cometa esse erro. Deixe tudo nas mãos do especialista para o benefício da sua saúde. Se tomar algum medicamento ou aplicar algum tratamento por conta própria, corre o risco de piorar ou sofrer uma reação adversa.

Não espere muito para ir à consulta. Lembre-se de que o tratamento precoce previne complicações relacionadas a este distúrbio e aos fatores neurológicos que causam posturas espasmódicas repetidas. Finalmente, a prevenção é a chave.


Artigos Relacionados

Pesquisa

Temas
Conforto superior ao longo de todo o mês com as Lentes Hydrasense Lentes de Contacto

Top 10 artigos

Top 10
Olhos Secos e Sensiveís com BioNatural Líquidos
Opiniones de Clientes en Lentes de Contacto 365
Apesar do elevado número de encomendas, todos os pedidos estão a ser expedidos com normalidade. Saiba mais »